NBB

  • Crédito: Wilian Oliveira/Divulgação

    Toledo, do Pinheiros, e Ansaloni, do Botafogo, se enfrentarão por vaga na semifinal.

Pinheiros e Botafogo abrem série

Quartas de final começam nesta sexta-feira(12) com a primeira partida entre Pinheiros e Botafogo
Por: Redação e assessorias/NBB - 12/04/2019 16:04:08

Com o fim das oitavas de final do NBB CAIXA, apenas oito equipes seguem vivas na disputa pelo título da maior competição do basquete brasileiro.

Sem tempo a perder, as quartas de final já terão início nesta sexta-feira (12/04), com um grande duelo entre Pinheiros (3º) e Botafogo (6º). O primeiro confronto entre eles será no Ginásio Oscar Zelaya, no Rio de Janeiro (RJ), às 21h10, com transmissão ao vivo no Fox Sports.

Aprofundando mais nas duas equipes, listamos alguns pontos em comum de Pinheiros e Botafogo que ajudam a mostrar o tamanho dessa série. Confere aí!

Os armadores

Tanto Pinheiros quanto Botafogo possuem uma maneira de jogar bem definida: os dois times costumam usar bastante dois armadores em quadra ao mesmo tempo, sejam eles mais organizadores, físicos ou pontuadores.
No clube da capital paulista, o treinador César Guidetti costuma revezar Kenny Dawkins, Corderro Bennett e Felipe Ruivo na armação do time, com destaque para a dupla de norte-americanos, que costuma ter mais tempo de quadra.

As características dos jogadores são diferentes: Dawkins se destaca pela velocidade e capacidade de pontuar; Bennett impressiona pela imposição física e o poder de decisão; enquanto Ruivo, jovem promessa do basquete brasileiro, possui um estilo mais cadenciado.

Já o Botafogo, comandado pelo técnico Léo Figueiró, tem como opções para o perímetro Henrique Coelho e Jamaal Smith, dupla titular da equipe, além de Guga Ceccato.

Com Coelho e Jamaal em quadra, o Glorioso ganha com a velocidade e força física, do primeiro, e com o poder de pontuação do norte-americano. Como opção do banco, o jovem Guga consegue acalmar e organizar melhor o jogo.

Pivôs versáteis

Outro ponto em comum das duas equipes vem de dentro (ou fora) do garrafão. Isso porque os pivôs de Pinheiros e Botafogo possuem a versatilidade como uma das principais características, podendo jogar tanto dentro como fora da área pintada.

Os personagens que mais se encaixam nesse quesito são Renato Carbonari (Pinheiros) e Ralfi Ansaloni (Botafogo). Pivôs de origem, acostumados com o jogo interno, os dois jogadores acrescentaram o arremesso de 3 pontos no repertório e se tornaram uma ameaça aos rivais também fora do perímetro.

Ex-jogador do Pinheiros na última temporada, Arthur Bernardi também possui papel fundamental no jogo do Botafogo. Com altura de pivô (2,04m) e habilidades de ala, o jogador pode ser utilizado tanto na posição 3 (ala) como na 4 (ala/pivô), o que aumenta as opções do treinador Léo Figueiró.

O mesmo pode ser visto com Marcus Toledo. Depois de muito tempo em ação como um ala de força, o atleta do Pinheiros está sendo usado mais internamente e lidera a equipe da capital paulista em rebotes (7,0 por jogo).

Coletivo forte

Os dois times possuem grandes jogadores nos elencos, mas o destaque principal fica com o jogo coletivo. No total, as equipes possuem cinco jogadores em cada lado com média superior a dez pontos por jogo, sem um atleta muito acima dos demais.

No Pinheiros, o líder dessa estatística é o norte-americano Corderro Bennet (14,3 pontos por jogo), seguido por Betinho (11,8), Renato Carbonari (11,7), Kenny Dawkins (11,3) e Isaac (10,8).

Já no Botafogo, o quinteto titular domina a pontuação da equipe. Os principais cestinhas são Jamaal Smith e Cauê Borges, ambos com média de 14,0 pontos por partida. Na sequência aparecem Ansaloni (12,6), Arthur Bernardi (12,0) e Henrique Coelho (11,5).

Com todas essas semelhanças, a expectativa é de que o equilíbrio impere na série entre Pinheiros e Botafogo. E para você, quem sairá vencedor?

Calendário da série

EC Pinheiros (3º) x Botafogo (6º)

Jogo 1 – 12/04 (sexta-feira), às 21h10, no Ginásio Oscar Zelaya, no Rio de Janeiro – ao vivo no Fox Sports
Jogo 2 – 18/04 (quinta-feira), às 19h30, no Ginásio Henrique Villaboim, em São Paulo
Jogo 3 – 20/04 (sábado), às 18 horas, no Ginásio Henrique Villaboim, em São Paulo – ao vivo no Facebook
Jogo 4* – data e hora a definir, no Ginásio Oscar Zelaya, no Rio de Janeiro
Jogo 5* – data e hora a definir, no Ginásio Henrique Villaboim, em São Paulo
*Se necessário

Compartilhe



Veja também...

    Deixe um comentário

    Seu e-mail não será publicado. Campos Obrigatórios *

    Publicidade
    Publicidade
    Publicidade
    Publicidade