NBB

  • Crédito: NBB

    JP  Bastista, em noite inspirada, anotou 35 pontos e 11 rebotes.

Mogi supera Joinville

Time paulista foi mais decisivo na prorrogação e venceu por 90 a 84.
Por: Agências/NBB - 11/01/2019 10:57:36

Na noite desta quinta-feira (10/01), Mogi das Cruzes/Helbor e AABJ/Joinville fizeram uma partida eletrizante e a decisão veio apenas na prorrogação. Com direito a uma atuação monstruosa de JP Batista, o time paulista foi mais decisivo no tempo extra e venceu por 90 a 84.

O dono do jogo foi JP Batista, que marcou incríveis 35 pontos – segunda maior marca da temporada. Dominante no garrafão, o pivô converteu 16 bolas de 2 em 20 tentativas (80%) e cravou seu recorde pessoal de pontos no NBB CAIXA. De quebra, ainda pegou 11 rebotes e anotou seu quarto duplo-duplo no campeonato.

“Foi uma vitória gigante. Tivemos alguns altos e baixo durante o jogo, mas fomos ajustando e jogamos bem no segundo tempo e prorrogação. Todo mundo tem mérito, marcamos muito bem e soubemos jogar com paciência no ataque”, disse o jogador mais eficiente da temporada até o momento.

Não foi só JP Batista que brilhou na partida. Apenas em sua quarta partida no NBB CAIXA, o norte-americano Starks marcou 34 pontos – terceira maior marca da temporada – e teve uma atuação de gala. Com direito a lindas jogadas individuais, o armador acertou sete bolas de três pontos e comandou o ataque catarinense.

A última cesta de Starks na partida foi ainda no início do último quarto. Depois disso, a defesa mogiano parou o jogador. Com Gui Deodato e Cafferata se revezando na marcação, o norte-americano não achou mais espaço para pontuar e viu sua equipe sair derrotada.

Com 11 pontos e 11 rebotes, Gui Deodato foi outro atleta do Mogi a somar um duplo-duplo. Já Shamell contribuiu com 15 pontos, enquanto que Cafferata e João Pedro saíram do banco para marcarem 12 e 10 pontos, respectivamente.

O camisa 54 do Joinville teve uma atuação completa nesta quinta e somou nove pontos, sete rebotes, seis assistências e oito bolas recuperadas. Com os expressivos números, Socas deixou a quadra com 25 de eficiência.
Cook também: Outro atleta do Joinville a ter boa atuação foi Cook. Autor de lindas jogadas individuais, o norte-americano marcou 22 pontos.

Depois do empate no tempo normal, Mogi mostrou mais tranquilidade na prorrogação. Explorando muito bem as jogadas no garrafão e com uma defesa sólida, a equipe abriu vantagem logo no início do tempo extra e não deu nenhuma chance de reação aos rivais.

Agora com 11 vitórias em 15 jogos, o Mogi segue na quarta colocação. Já o Joinville continua na 12ª colocação, com campanha de quatro triunfos em 14 partidas.

As duas equipes tiveram muitas baixas para a partida. Do lado catarinense, o pivô Jerônimo e o ala/armador Vezarinho foram ausências e Vezaro (virose) e Mathias (lesão no pé) atuaram no sacrifício. Já o Mogi não contou com o ala Filipin, além de Zé Carlos e Fabrício que seguem fora.

“Perder em casa nunca é bom. Fizemos um grande jogo, mas eles tiveram mais paciência e equilíbrio emocional na prorrogação. Desperdiçamos algumas bolas bobas no fim do jogo e demos a vitória para eles. Agora é corrigir os erros e voltar com tudo para o próximo jogo”, lamentou o camisa 10 do Joinville.

Outro desfalque mogiano foi o técnico Guerrinha, que não viajou com o time porque ainda se recupera de uma cirurgia para tratar um problema de sinusite. O assistente Danilo Padovani comandou a equipe na beira da quadra.

Joinville volta a atuar na próxima segunda-feira, novamente em casa, diante do Vasco da Gama. No dia seguinte, o Mogi enfrentará o Universo/CAIXA/Brasília, na capital federal.

Compartilhe



Veja também...

    Deixe um comentário

    Seu e-mail não será publicado. Campos Obrigatórios *

    Publicidade
    Publicidade
    Publicidade
    Publicidade